Liberto

Atualizado: 23 de jan.

por Jony Naim, um dos autores do livro 21 Histórias de Superação


Sou homem, homem forte, homem como qualquer um de vocês. Sim, homem, aliás, ser humano. Sim ser humano diferente, diverso... Que palavra curiosa, né? Somos sim diferentes, embora vocês tentem igualar, tentem excluir, dizendo que não são como eu!

Realmente, vocês, narizes em pé, maquiados, escondidos, não são como eu! E eu não sou como vocês! Mas somos iguais, e ao mesmo tempo diferentes; viemos do mesmo espaço e iremos para o mesmo espaço...

E vejam só! O diferente, o excluído é aquele que é aplaudido e liberto, sim, liberto! Vocês me aplaudem, e nem sabem quem sou eu. Sou eu, aquele que faz as belas obras cobertas de ouro, com riqueza nos detalhes... Eu, aquele que muitas vezes, fico escondido, e quando coloco a cara para bater, sou invisível.

Sou eu quem cria as belas riquezas, que vocês admiram com os olhos marejados. Sou eu! Aquele que vocês chamam de excluído, chamam de aleijadinho... Sim! Sou eu, o aleijadinho, aquele que, segundo vocês, faz obras aos olhos de Deus, mas ainda assim, sou excluído.

Preciso de um papel, uma carta, um documento para dizer que estou liberto. Sim, liberto. Mas o que me liberta não é um papel, uma carta ou um documento, não é a escrita, é uma coisa que vocês não admiram muito, embora admirem a beleza das obras criadas. O que liberta é o suor.

Sim, sou eu, o escravo, o aleijadinho, e esse recado é para vocês. A arte me liberta porque nela, mesmo dentro da minha diferença, sei que sou igual a vocês.


8 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo